Eloy Fonseca

Há sempre algo de ausente que me atormenta. (CamilleClaudel)

Textos

Armando o Circo
A este povo sofrido, sobrevivente,
Que se acha, de Dom Bosco, herdeiro,
Anuncia-se mais um  acordo impertinente,
Fazendo do cidadão, pescoço de cordeiro!

Talvez seja, por todos nós, merecido,
Passar por mais uma prova de fogo!
Porém o que me deixa estarrecido,
É a cara de pau de quem faz o jogo!

Juntaram a troupe da mão armada,
Aos sorridentes mestres do colarinho!
E aí está a bandalha, outra vez, a caminho!

Sim, já votamos em mais de um ladrão!
Agora, neste circo, veremos sufragada,
Novidade, quem tem sangue na mão!
Eloy Fonseca
Enviado por Eloy Fonseca em 21/10/2009
Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras