Eloy Fonseca

Há sempre algo de ausente que me atormenta. (CamilleClaudel)

Textos

Presenças Ausentes
                                "Há sempre algo de ausente que me atormenta"
                                       (Camille Claudel)
Ao homem vejo, faltam os seios,
Às damas, um falo, cheio de veios,
A quem vive aos tropeços e desalinho,
Por certo conta com a falta de carinho.

E por mais que se tenha juntado,
É sempre pequeno o tesouro!
Falta um níquel para o guisado,
E para o jatinho, um pouco de ouro!

Sendo faminto ou rico abastado,
Uma coisa sempre nos iguala:
Estamos com o tempo contado!

Talvez a ausência da dita vergonha,
Que se cultua, mas ninguém propala,
Apodreça na cova, que a todos enfronha!
Eloy Fonseca
Enviado por Eloy Fonseca em 08/09/2009
Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras